Login  |   Cadastre-se   |   Fale Conosco  |   Trabalhe Conosco  |   Ajuda             Youtube  

25 de agosto de 2019
Carrinho Vazio
Você está em: Home >> Liturgia Diária


Compartilhe: Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

Liturgia do dia 07/07/2019


Leituras
Is 66,10-14c
Sl 65(66),1-3a.4-5.6-7a.16.20 (R/. 1)
Gl 6,14-18
Lc 10,1-12.17-20 ou mais breve: Lc 10,1-9 (Missão dos discípulos)

14º Domingo do Tempo Comum

Domingo


Primeira Leitura: Is 66,10-14c

10Alegra-te com Jerusalém e exultai por ela, vós que a amais! Enchei-vos de alegria por ela, vós que trazeis luto por ela! 11E sereis aleitados e saciados pelo seu seio de consolação, e saboreareis com delícia sua maminha de glória. 12Por isso assim diz Javé: “Farei derramar sobre ela a paz, como um rio; como torrente desbordante, a glória das nações. Seus lactentes serão levados às costas e acariciados sobre os joelhos. 13Como alguém consolado pela mãe, também eu vos consolarei. Por Jerusalém sereis consolados. 14À vista disso vosso coração exultará e vosso corpo florescerá como erva. A mão de Javé se mostrará a seus servos. 


 


Salmo: Sl 65(66),1-3a.4-5.6-7a.16.20 (R/. 1)

R.: Gritai vivas a Deus, ó terra inteira!


1Gritai vivas a Deus, ó terra inteira, 2 cantai salmos em honra de seu nome, dai a Deus o louvor que lhe é devido! 3Dizei a Deus: “Terríveis tuas obras, pelo imenso poder que manifestam.

4Diante de ti se prostre a terra inteira, e cante o teu poder, cante o teu nome!”. 5Oh, vinde e vede, as obras do Senhor, temível por seus feitos entre os homens!

6Ele mudou o mar em terra firme, fez-nos passar o rio a pé enxuto; nele rejubilemos e exultemos! 7Pois reina eternamente em seu poder, vigia com seus olhos as nações! 

16Vós, que temeis a Deus, vinde escutar: vou narrar todo bem que ele me fez. 20Deus não me repeliu, bendito seja! De sua compaixão não quis privar-me!



Segunda Leitura: Gl 6,14-18

14Quanto a mim, que não me aconteça gloriar-me, a não ser da Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Por ela o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. 15Pois ser circuncidado ou não ser, nada importa; o que importa é ser uma nova criatura. 16Paz e misericórdia sobre todos os que seguem esta regra, como também para o Israel de Deus. 17Daqui por diante, que ninguém me aborreça, pois trago em meu próprio corpo as cicatrizes de Jesus. 18Irmãos, a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja com vosso espírito. Amém.



Evangelho: Lc 10,1-12.17-20 ou mais breve: Lc 10,1-9 (Missão dos discípulos)

1Depois disso, o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, à sua frente a todas as cidades e lugares aonde ele estava para ir. 2E lhes disse: “A colheita é grande, mas os operários são poucos. Pedi ao dono da colheita que envie operários para a sua colheita. 3 Ide! Eu vos envio como cordeiros no meio de lobos. 4Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias; e não saudeis ninguém pelo caminho. 5Em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: ‘Paz a esta casa!’. 6E se houver ali um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não houver, ela voltará para vós. 7Permanecei nesta mesma casa, comendo e bebendo o que vos servirem, porque o trabalhador tem direito ao seu salário. Não mudeis de uma casa para outra. 8Em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei o que vos for servido; 9 curai seus doentes e dizei aos seus moradores: ‘O Reino de Deus está perto de vós!’. 10Mas, na cidade onde entrardes, se não vos acolherem, saí pelas praças e dizei: 11 ‘Até a poeira da vossa cidade que grudou em nossos pés nós sacudimos contra vós. Ficai sabendo, contudo, que o Reino de Deus está perto!’. 12Eu vos garanto: naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade. 17Os setenta e dois voltaram muito contentes, dizendo: “Senhor, até os demônios se submeteram a nós em teu nome!”. 18 Jesus disse então: “Eu vi Satanás caindo do céu como um raio. 19Eis que vos dei o poder de caminhar sobre serpentes e escorpiões, bem como sobre todo o poder do Inimigo e absolutamente nada vos causará dano. 20Entretanto, não vos alegreis porque os espíritos se submetem a vós, mas alegraivos porque vossos nomes estão escritos no céu”.



Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 - Ano C - São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.

 


Boa Nova para cada dia


 


ACLAMAI AO SENHOR DEUS, Ó TERRA INTEIRA;

O REINO DE DEUS SE MANIFESTOU EM JESUS CRISTO.


 

A alegria que a Liturgia da Palavra deste domingo provoca em nós vem da notícia dada por Jesus: “o Reino de Deus está próximo de vós” (Lc 10,9); por isso aclamamos a bondade de Deus como nos convida o Salmo 65(66),1: “Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira”.

Primeira Leitura: Is 66,10-14c.

Como uma mãe que consola o filho, assim eu vos consolarei... (Is 66,13).

O livro que chamamos de “Profeta Isaías”, na verdade são três, de três profetas diferentes: o Primeiro, dos capítulos 1-39; o Segundo dos capítulos 40-55, e o Terceiro dos capítulos 56 a 66.

Somente o Primeiro é do profeta Isaías, que viveu no século VIII antes de Cristo. E os dois últimos foram escritos por outros profetas anônimos que viveram no século VI antes de Cristo, no tempo do retorno do Exílio da Babilônia e da reconstrução de Jerusalém.

Assim lemos hoje Isaías Is 66,10-14c, de um terceiro profeta anônimo que quer encorajar as pessoas que voltaram da Babilônia para reconstruir a cidade de Jerusalém.

Entre estas pessoas estão:

- os que ficaram em Jerusalém sem irem ao cativeiro da Babilônia,

- os que voltaram com esperança de reconstruir a cidade,

- alguns estrangeiros que também chegaram à cidade.

Estas diferenças provocavam falta de colaboração entre todos, e por isso a reconstrução de Jerusalém era muito atrapalhada.

Todos passavam pelas dificuldades da reconstrução de Jerusalém e da nação judaica. Estavam desanimados, achando que Deus tardava muito em ajudá-los.

É para esta gente que o profeta do Terceiro livro de Isaías escreve:

Como uma mãe que consola o filho, assim eu vos consolarei... (Is 66,13).

Isto quer dizer que haverá um futuro cheio de esperança para Israel.

A cidade será reconstruída e o Templo também, sob orientações de Esdras e Neemias, e do encorajamento dados pelos profetas Ageu e Zacarias no século VI a.C.

Foi com estes grandes homens que Deus consolou seu povo, enchendo-o de esperança num futuro melhor. De fato, até a chegada de Jesus, o Povo Eleito e sua religião terão progredido muito.

Esta experiência de Israel é iluminadora em momentos difíceis que podem aparecer na história pessoal ou comunitária, de uma nação ou de todo o mundo. Sempre resta a esperança da ação de Deus ao longo da História para levar a humanidade a tempos melhores.

Se na Igreja deste início de século há problemas que pareciam não existir antes, sabemos que Deus nunca a abandona, mas mantém acesa a esperança de tempos melhores.

Salmo Responsorial: Sl 65 (66), 1-3a. 4-5. 6-7a. 16 e 20 (R/ 1)

Aclamai ao Senhor Deus, ó terra inteira [Sl 65 (66),1].

O tom deste Salmo todo é de alegria e gratidão, uma vez que Deus atendeu aos pedidos do salmista.

É o eco à Primeira Leitura de hoje.

Todos os povos, sem divisão alguma entre eles, devem aclamar a Deus pelos benefícios que Ele lhes faz, mesmo que nem todos disto se deem conta.

Nos momentos de crise os que têm fé pedem o socorro de Deus. Como Deus atende aos pedidos dos homens, todos devem-Lhe agradecimento.

Neste sentido o versículo 20 deste Salmo diz:

Bendito seja o Senhor Deus que me escutou.

Não rejeitou minha oração e meu clamor,

nem afastou longe de mim o seu amor!

Seja este nosso hino de gratidão a Deus também neste domingo, meditando todo o bem que Deus nos tem feito e pelo qual Lhe devemos ação de graças.

Segunda Leitura: Gl 6,14-18.

No tempo de São Paulo ainda havia judeus que não queriam que os outros povos pudessem entrar no Povo de Deus. Era como no tempo do profeta anônimo que escreveu o Terceiro Livro de Isaías, como lemos na Primeira Leitura. Estes que promoviam a divisão estavam pondo dificuldades à ação salvadora de Deus para todos.

São Paulo ensinou que Jesus uniu todas as nações com o Povo Eleito de Deus. São Paulo foi o apóstolo das nações, o que anunciou a todos os povos a unificação, a pacificação realizada por Jesus Cristo. Como Jesus fez isto?

Jesus mostrou que Deus é Deus para todos os povos, não somente para o antigo Povo Eleito de Israel. Deus quis que Seu Filho fosse luz das nações, isto é, de todos os povos (Lc 2,32; Ap 21,24). Esta foi a pregação de São Paulo, que aparece nesta Segunda Leitura.

Reparemos como São Paulo afirmou que não importava ser ou não ser parte do antigo Povo Eleito, uma vez que Jesus derrubou o muro que separa judeus de outros povos.

Jesus fez uma só humanidade de todas as nações, Israel incluído, e esta única humanidade é chamada por São Paulo de “Israel de Deus”, que inclui os judeus e os pagãos convertidos a Jesus Cristo. Em Cristo está a unidade de todas as nações perante Deus. E assim é que todos serão salvos.

Nós somos as nações que Jesus Cristo reuniu formando sua Igreja.

Como Povo de Deus, somos o Novo “Israel de Deus”, como diz São Paulo (Gl 6,16).

Pensemos bem nisto: a salvação que Jesus trouxera era anunciada antes só para Israel. Como é para todos, Jesus mandou seus apóstolos a todo o mundo. E foi assim que nós fomos atingidos pela salvação que Jesus nos trouxe.

É por isso que devemos agradecer a Deus com o Salmo responsorial escolhido para a liturgia deste domingo.

Evangelho: Lc 10,1-12.17-20

... dizei ao Povo: o Reino de Deus está próximo de vós (Lc 10,9).

Desde quando retornaram do cativeiro da Babilônia o Povo de Deus tinha esperança no estabelecimento de uma nação governada por Deus.

Logo depois da volta da Babilônia a reconstrução de Jerusalém e do Templo levou muito tempo.

Entre a reconstrução de Jerusalém e a vinda de Jesus Cristo foram cinco séculos de espera. Os profetas anunciavam um tempo novo em que um descendente de Davi daria ao Povo um governo fundado no Direito, na justiça que a Lei de Deus previa.

Quando Jesus chega, começa a anunciar a todos a vinda do Reino de Deus dentro de pouco tempo.

Para que sua mensagem atinja todo o Povo de Israel, Jesus envia setenta e dois discípulos para anunciar a chegada do Reino de Deus. Ele os mandou aos lugares por onde Ele também iria depois. Isto quer dizer que o Reino de Deus chegava na própria pessoa de Jesus.

Jesus tinha dado normas claras aos discípulos. Eles as cumpriram e retornaram dizendo que fizeram tudo o que Jesus tinha mandado. Tudo tinha dado certo, embora Jesus prevenisse para a rejeição de algumas pessoas, Ele disse que os mandava como cordeiro no meio de lobos.

Quando os discípulos retornaram contaram a Jesus o que tinha acontecido. Tinham até expulsado demônios! Ora, se os demônios fogem quando o Reino de Deus chega, é porque o reino deles foi vencido. Jesus lhes disse que vira Satanás cair do céu como um relâmpago (Lc 10,18).

Por séculos o Povo de Deus tinha esperado a chegada do Reino de Deus.

E quando chegou, em Jesus, nem todos os judeus o acolheram.

Porém aos que O acolheram, deu-lhes a possibilidade de entrarem no Reino de Deus, serem fiéis a Ele e aguardarem o fim dos tempos. Haverá um Juízo Final em que serão punidos os que não aceitaram o Reino de Deus anunciado por Jesus. E Ele disse: ...naquele dia Sodoma será tratada com menos rigor do que a cidade que não acolheu o anúncio do Reino de Deus pelos discípulos de Jesus.

Para nosso tempo este Evangelho dá um recado muito claro também, porque a nós e a todo o mundo o Reino de Deus continua sendo anunciado pelos discípulos de Jesus. Nós o acolhemos, porque Jesus é o centro de nossas vidas. Mas Lhe peçamos misericórdia para com os que ainda o rejeitam.

Que nada neste mundo diminua nossa esperança na vinda plena do Reino de Deus. Como o salmista, digamos: “Aclamai ao Senhor Deus, ó terra inteira” [Sl 65(66),1].



Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma





Preencha seus dados abaixo e receba as novidades da Loyola.
Nome:
E-mail:
  
Sobre a Edições Loyola | Serviços Gráficos | Fale Conosco | Distribuidores e representantes | Revista Mensageiro | Liturgia Diária | Eventos | Política de Vendas | Política de Privacidade

Rua: Mil Oitocentos e Vinte e Dois, 341 - Ipiranga
CEP: 04216-000 - São Paulo - SP
Tel.: 11 3385-8500 | 2063-4275 | 3385-8501
Formas de Pagamento
Acompanhe
Youtube  
Certificados
© 2011 Edições Loyola . Todos os direitos reservados
Visualize este site com resolução mínima de 1024 x 768
DesignbyC10