Login  |   Cadastre-se   |   Fale Conosco  |   Trabalhe Conosco  |   Ajuda             Youtube  

20 de abril de 2019
Carrinho Vazio
Você está em: Home >> Liturgia Diária


Compartilhe: Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

Liturgia do dia 26/03/2013


Leituras
Dn 3,25.34-43
Sl 24(25),4bc-5ab.6-7bc.8-9 (R/. 6a)
Mt 18,21-35
Ou facultativas (em algum dia da semana):
Ex 17,1-7

3ª semana da Quaresma

Terça-Feira


Primeira Leitura: Dn 3,25.34-43

25Azarias, de pé, rezou assim. 34Não nos abandones para sempre, por amor de teu Nome; não nos negues tua aliança, 35 nem nos retires tua misericórdia por amor de Abraão, teu amigo, de Isaac, teu servo, e de Israel, teu santo, 36 aos quais prometeste numerosos filhos, como as estrelas do céu e como a areia à beira do mar. 37 Senhor, somos poucos, menos que as nações; eis-nos hoje humilhados em toda a terra, por causa dos nossos pecados. 38Agora não há mais chefe, profeta, nem príncipe, holocausto, sacrifício, oblação nem incenso, nem lugar para oferecer primícias e achar tua misericórdia. 39 Com alma contrita e espírito humilhado achemos acolhida. Como holocaustos de cordeiros gordos, 40 seja hoje nosso sacrifício diante de ti para que te seja agradável, pois não se confundirão os que em ti confiam. 41Agora vos seguimos de coração, tememos e buscamos tua Face. 42Não nos confundas! Trata-nos segundo tua mansidão e a grandeza de tua misericórdia. 43 Livra-nos conforme teu grande poder e glorifica, Senhor, o teu Nome.



Salmo:Sl 24(25),4bc-5ab.6-7bc.8-9 (R/. 6a)

R.: Recorda-te de mim no teu amor!

4Revela-me, Senhor, os teus caminhos; faze-me conhecer tuas veredas! 5abPela tua verdade me orientes, pois és o Deus da minha salvação.

6 recorda-te de mim no teu amor! Não te esqueças, Senhor, do teu amor, nem da tua bondade: são eternos. 7Não lembres minhas faltas quando moço; nem, em tua bondade, os meus pecados.

8O senhor é bondade e retidão, ele ensina o caminho aos pecadores. 9Guia pela justiça os pequeninos, ensina ao povo humilde a sua estrada.



Evangelho: Mt 18,21-35

21Pedro, então, chegou perto de Jesus e lhe perguntou: “Senhor, quantas vezes terei de perdoar a meu irmão, se pecar contra mim? Até sete vezes?”. 22Jesus lhe respondeu: “Eu não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23A propósito, o reino dos céus é semelhante a um rei que quis acertar as contas com seus servidores. 24Para começar, apresentaram-lhe um que devia dez mil moedas de grande valor. 25Como não tinha com que pagar, ordenou ao senhor que o vendesse com sua mulher, seus filhos e todos os bens que possuía, para que desse modo saldasse a dívida. 26Então, o servidor se atirou aos pés dele, suplicando: ‘Concede-me um prazo e eu te pagarei toda a dívida’. 27Compadecido, o senhor deixou o servidor em liberdade e perdoou-lhe a dívida. 28Ora, apenas saído, aquele servidor encontrou um dos seus companheiros que lhe devia cem pobres moedas. Agarrando-o pelo pescoço, sufocava-o, dizendo: ‘Paga o que deves!’ 29Mas o companheiro, caindo a seus pés, suplicavalhe, dizendo: ‘Concede-me um prazo e eu te pagarei tudo!’ 30Mas ele não quis concordar; pelo contrário, foi-se embora e mandou jogá-lo na cadeia até pagar a dívida. 31Vendo o que se passava, seus companheiros ficaram profundamente entristecidos e foram levar ao senhor a notícia desse caso. 32Então, o senhor o chamou e disse-lhe: ‘Servidor cruel! Eu te perdoei toda a dívida, porque me suplicaste isso. 33Não devias tu também ter pena do teu companheiro, como eu tive de ti?’ 34E, encolerizado, o senhor o entregou aos carrascos, até que pagasse toda a dívida. 35Do mesmo modo também procederá convosco meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar a seu irmão de todo o coração”.



Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 - Ano C - São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.



Boa Nova para cada dia

Agarrou-o na garganta e quase o estrangulou, dizendo: paga o que me deves! (MT 18,28)

Esta é uma cena assustadora, mesmo contada pelo próprio Jesus que é a bondade em pessoa.

O homem que devia uma fortuna ao rei fora perdoado; mas não soube perdoar um amigo que lhe devia uma ninharia, agarrando-o pela garganta exigiu o pagamento daquela ninharia. Claro que o rei não poderia ficar indiferente a esta injustiça. O rei voltou atrás, “desperdoou” a fortuna de seu devedor e o fez pagar até o último centavo na prisão.

Reparemos que aqui Jesus nos dá a mesma lição relativa ao irmão do pródigo: o Rei desta parábola representa Deus, generoso e clemente em nos perdoar. Mas o devedor cruel nos representa: às vezes não perdoamos os outros assim como Deus nos perdoa. É a mesma lição do Pai Nosso, neste ponto. E se Jesus nos adverte mais de uma vez, é porque a coisa é séria. Deus pode “desperdoar” nossas dívidas. Examinemos nossa consciência, portanto.



Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.





Preencha seus dados abaixo e receba as novidades da Loyola.
Nome:
E-mail:
  
Sobre a Edições Loyola | Serviços Gráficos | Fale Conosco | Distribuidores e representantes | Revista Mensageiro | Liturgia Diária | Eventos | Política de Vendas | Política de Privacidade

Rua: Mil Oitocentos e Vinte e Dois, 341 - Ipiranga
CEP: 04216-000 - São Paulo - SP
Tel.: 11 3385-8500 | 2063-4275 | 3385-8501
Formas de Pagamento
Acompanhe
Youtube  
Certificados
© 2011 Edições Loyola . Todos os direitos reservados
Visualize este site com resolução mínima de 1024 x 768
DesignbyC10