Login  |   Cadastre-se   |   Fale Conosco  |   Trabalhe Conosco  |   Ajuda             Youtube  

14 de novembro de 2019
Carrinho Vazio
Você está em: Home >> Liturgia Diária


Compartilhe: Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

Liturgia do dia 1º/03/2019


Leituras
Eclo 6,5-17
Sl 118(119),12.16.18.27.34.35 (R/. 35a)
Mc 10,1-12

7ª Semana do Tempo Comum

Sexta-Feira


Primeira Leitura: Eclo 6,5-17

5Uma palavra amável multiplica os amigos, uma língua afável atrai respostas amáveis. 6 Sejam numerosos os que te saúdam, mas por conselheiros toma um entre mil. 7 Se queres um amigo, submete-o à prova e não te apresses em confiar nele. 8Há amigo no tempo em que lhe convém, e que desaparece no dia da tua aflição. 9Tal amigo se transforma em inimigo e vai revelar a disputa para confundir-te. 10Há amigo para sentar-se à tua mesa, mas no dia da aflição não permanece. 11Em tua prosperidade se faz igual a ti, tratando os teus com toda a liberdade. 12Mas se perdes os bens, estará contra ti e se ocultará da tua vista. 13Afasta-te dos teus inimigos e sê cauteloso com teus amigos. 14O amigo fiel é um refúgio seguro; quem o encontrou achou um tesouro. 15O amigo fiel não tem preço; não se pode medir seu valor. 16O amigo fiel é remédio de vida; os que temem ao Senhor o encontrarão. 17Quem teme o Senhor dirige bem sua amizade, porque, como ele é, tal o amigo que tem.




Salmo:  Sl 118(119),12.16.18.27.34.35 (R/. 35a) 

R.: Guia-me pela trilha que traçaste!

12Senhor, tu és bendito para sempre, ensina-me, Senhor, teus mandamentos. 

16Encontro em tua lei minhas delícias, jamais esquecerei tua palavra.

18Abre os meus olhos para que eu contemple como é maravilhosa a tua lei.

27Faze-me compreender os teus caminhos e que eu medite sobre os teus milagres.

34Dá que eu entenda e guarde a tua lei, de todo coração saiba cumpri-la.

35Guia-me pela trilha que traçaste, pois nos teus mandamentos eu me alegro.


 


Evangelho: Mc 10,1-12

1 Saindo dali, ele foi para a região da Judeia, além do Jordão. As multidões se juntaram à sua volta e, segundo o seu costume, ele as instruía de novo. 2Chegando uns fariseus, perguntaram-lhe em forma de cilada: “É permitido ao marido se divorciar da mulher?”. 3Mas ele por sua vez lhes perguntou: “Que é que Moisés determinou para vós?”. 4Eles disseram: “Moisés permitiu lavrar uma certidão de divórcio para repudiar”. 5 Jesus replicou: “Eles vos deu este mandamento por causa da dureza de vosso coração. 6Mas no início da criação Deus os fez homem e mulher. 7Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, 8e os dois se tornarão uma só carne. Assim já não são dois, mas uma só carne. 9Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe”. 10Em casa, os discípulos lhe perguntaram de novo sobre este ponto. 11Jesus respondeu-lhes: “Todo aquele que se divorciar da própria mulher e se casar com outra comete adultério em relação a primeira. 12E se a mulher se divorciar do marido e se casar com outro, ela comete adultério”.



Leituras: Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2019 - Ano C - São Lucas, Brasília, Edições CNBB, 2018.

Citações bíblicas: Bíblia Mensagem de Deus, São Paulo, Edições Loyola, 2016.



Boa Nova para cada dia

... o que Deus uniu o homem não separe. (Mc 10,9).

No Evangelho de hoje vemos como Jesus não veio abolir a Lei, mas aperfeiçoá-la.

Este aperfeiçoamento aparece aqui, num ponto particular da vida em sociedade em Israel: o divórcio. Moisés foi obrigado a permitir o “libelo de divórcio” (Dt 24,1). Mas não era isto o que Deus quis desde o momento da criação do primeiro casal.

Com o divórcio, não havia, para a mulher, quem a defendesse na sociedade. Ela ficava totalmente desprotegida, entregue a si.

A Lei permitia que ela se casasse novamente. Caso contrário ficaria nesse estado pelo resto da vida. Sozinha deveria cuidar do seu sustento e do de seus filhos.

 Jesus corrige esta deformação da Lei de Deus. Ele lembrará aos seus adversários como Deus dispusera a situação do casal no momento da Criação.

Criados, homem e mulher foram unidos por Deus num matrimônio indissolúvel. É assim que Jesus cita Gn 2,24: Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.

Mas Jesus vai além do que o Livro de Gênesis diz: Ele acrescenta, aperfeiçoando até mesmo Gn 2,24, esta nova ordem: ... o que Deus uniu o homem não separe (Mc 10,9).

Sabemos que o divórcio é defendido até por católicos. Maus católicos, para sermos claros. Sabemos também que o número de católicos divorciados aumenta.

Então Jesus teria errado ao proibir o divórcio?

Isto é inadmissível. Jesus nunca errou.

Mas nós erramos.

Por isso é acontecem casamentos que jamais deveriam ter existido, porque os noivos não se prepararam devidamente para um compromisso para a vida, “até que a morte os separe”.

Os divórcios, na verdade, são um empecilho contra a santificação do casal por Deus. Deus o quer santificar pela bênção matrimonial.

Rezemos, portanto, para que os divórcios não aconteçam.

Ajudemos os casais em conflito para que se reconciliem.

Ajudemos também os jovens noivos a repensar no compromisso que desejam assumir mutuamente diante de Deus, da Igreja e da sociedade.



Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.





Preencha seus dados abaixo e receba as novidades da Loyola.
Nome:
E-mail:
  
Sobre a Edições Loyola | Serviços Gráficos | Fale Conosco | Distribuidores e representantes | Revista Mensageiro | Liturgia Diária | Eventos | Política de Vendas | Política de Privacidade

Rua: Mil Oitocentos e Vinte e Dois, 341 - Ipiranga
CEP: 04216-000 - São Paulo - SP
Tel.: 11 3385-8500 | 2063-4275 | 3385-8501
Formas de Pagamento
Acompanhe
Youtube  
Certificados
© 2011 Edições Loyola . Todos os direitos reservados
Visualize este site com resolução mínima de 1024 x 768
DesignbyC10